5 de março de 2007

sofro

Escuto as lágirmas
Como gotas de orvalho
Caindo...
No infinito vazio da alma
Ressoando no corpo
Sopro...
Sofro...
Não há calma
Só o ritmo das gotas
Regendo minha existência

Um comentário:

Nadia disse...

Linda...
Gosto da idéia da lágrima ser norteadora do sentimento...
Parabéns